quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Figurino de "VIVER A VIDA"...

...dita moda!


Na minha opinião, a novela " Viver a Vida" foi a melhor no quesito figurino. Talvez por retratar a história de modelos envolvidas diretamente no mundo da moda, é que a novela vem fazendo bonito e para ninguém colocar defeito mesmo.

 A figurinista é a competente Marie Salles que criou um figurino mais clássico e elegante para a Helena, personagem de Tais Araújo, inclusive, com inspiração na tendência safari, tendo como referências a revista Vogue América e a estilista Stella McCartney, usando marcas do naipe de Chanel, Max mara, Cloé, L'Etage, Martu, Muggia, Celine, Christian Louboutin entre tantas outras maravilhosas. Tais leva para filmagens acessórios pessoais como sua bolsa Chanel Classic Flap, bem como, um sapato Louboutin. Indiscutivelmente é mais fácil acertar no look quando se usa roupas clássicas, elegantes e de marcas renomadas como faz a protagonista da novela, mas minha grande surpresa foi o visual grunge-chique da Luciana (Aline de Moraes). 



O que a garota veste?  Looks largados, peças surradas, muitas camisas xadrez, jeans  dèlavè, roupas larguinhas (shorts, blusas e calças "boyfriend") e muitas sobreposições (coletes leves entre tantas outras peças). 







O que ou quem inspirou Marie Salles a escolher este estilo para a Luciana? Uma tribo jovem originada nos anos 90 onde Kurt Cobain e sua equipe do Nirvana defendiam um estilo largado. Inspirou-se também em novas modelos e editoriais da Vogue Teen. Marie Salles, entretanto, foi além ao unir o legado grunge ao elegante que culminou em um maravilhoso resultado: "uma negligência sofisticada" , ou seja, um estilo confortável, mas com ares de pura sofisticação concomitantemente. 


























Quem a veste? Marc Jacobs que já desenvolveu coleções inspiradas no grunge, bem como, John Galliano, Anna Sui, Calvin Klein,Mob, Carmim, sapatos da Capodarte, Ellus, Bo.Bô, H&M, Zara e Topshop, sendo estas três últimas enormes redes de fast fashion do mundo cobiçadas pelas jovens fashionistas e moderninhas. 




Quem não teve vontade de... usar aquela chave da Tiffany (heart key) ou o pingente de coroa da design Junia Machado (suas jóias já fazem parte do mundo das novelas e começaram a ganhar destaque em 2000 com as estrelas do cabelo da personagem Bionda (Mariana Ximenes) na novela Uga Uga)? Pois bem, estes dois itens foram escolhidos pela própria Aline de Moraes que explicou o significado dos dois colares: A coroa da princesa que simboliza como a mimada Luciana sente-se e a chave do sucesso que apenas ela possui, pois ela manda neste reinado. São duas peças que dizem muito da Luciana".






Uma dica: Quem quiser o pingente da coroa, vende no site Globo Marcas por R$84,90. Eles entregam em todo o Brasil e o valor pode ser parcelado em até 8 vezes. O pingente da chave Tiffany vende no Cidade Jardim ou Iguatemi em SP: O de ouro custa R$1079 (tamanho mini e 
R$ 2580 (tamanho maior). Se eu não me engano o de prata fica em torno de 700 reais e no exterior $250 (dólares) o mini de ouro e $ 600 o maior. Cuidado com pessoas que vendem a grande no ML por R$ 190 reais: parece piada, pois este preço seria inviável até para a chave pequena! Fiz uma pesquisa ontem e a pessoa não só não lucraria "nadinha" como ainda "ficaria" no prejuízo e eu, graças a Deus, não acredito mais em Papai Noel e nem em tamanha bondade: É fake!!!!

                               F.U.I!

sábado, 26 de setembro de 2009

Bolsa de tornozelo Chanel!

Objeto de desejo: Bolsa très, très 
petit Chanel!


Meu Deus, estava eu aqui, uma pobre mortal (que exagero, mas não nos sentimos assim quando percebemos que algo é meio intangível?) quando me deparei com esta bolsa - très, très petit Chanel- achei um verdadeiro ORIGINAL LUXO (redundância perfeitamente perdoável) que se amarra no tornozelo. Modo de usar? Saia com o mínimo possível: cartão de crédito, chaves, um trocado e o batom Snob, off course (meu preferido, mas aceito outras sugestões ha ha ha) e ainda pode usá-la pendurada em outra bolsa ou como bolsinha de mão à noite! Lembra algo? Sim, a pulseira anti-álcool que levava Lindsay Lohan antes de ingressar em um centro de desintoxicação.Parece que seu amigo, Karl Lagerfeld viu nessa tornozeleira  da sua queridinha um mundo de inspiração e a estilizou em uma mini bolsinha para a Chanel. Daqui a pouco vão copiar, mas amarrando nos braços...risos! 


Lindsay, no centro, com sua pulseirinha anti-álcool






A Chanel très, très petit 
nela inspirada: um "luxo"!


















Não é o máximo?




                                                                  F.U.I! 



quinta-feira, 24 de setembro de 2009

LOUIS VUITTON





   LV: LOUIS VUITTON: LENDA VIVA! 





Quando alguém fala em bolsa ou mala, qual marca vem, instantaneamente, à cabeça? LOUIS VUITTON? Não é apenas você, mas qualquer mortal na face da terra remete a palavra "bolsa" a esta marca francesa que traduz não apenas beleza, mas história, elegância e, acima de tudo, qualidade aliada à exclusividade. Apenas duas singelas  letrinhas, L e V, são capazes de deixar mulheres do mundo inteirinho frenéticas em uma fila de espera para comprar uma bolsa cujo valor, na maioria das vezes, passa os quatro números em dólares. Mais que uma marca, talvez LV possa significar também "Lenda Viva": quem já nao ouviu falar que os baús de viagem da LOUIS VUITTON que estavam a bordo do Titanic foram encontrados em perfeito estado de conservação, tendo preservado, inclusive, seu conteúdo? Vale ou não cada centavinho que a poderosa grife nos cobra? 


                        Olha que lindas estas Mahinas!

                            





HISTÓRIA:


Havia um jovem aprendiz de cofreiro que, a partir de 1851, era convocado ao Palais des Tuilleries para empacotar a bagagem da imperatriz Eugenie, esposa do imperador francês Napoleão III. Quem era essa modesto rapaz? Louis Vuitton, filho de marceneiro, nascido na suíça e criado em Paris. Tudo surgiu pela vontade nata que ele tinha em embalar as coisas de quem viajava de um jeito mais inteligente e não menos elegante e inventou uma tela impermeável e forrou com ela os baús e o material era sempre o mesmo: madeira, zinco, cobre e as famosas lonas impermeáveis. A sua única ferramenta era seu apuro artesanal singular que enlouqueceu ricos e nobres da época e sua fama avassaladora rendeu a criação da Maison LOUIS VUITTON em 1854 na Place Vendôme. Suas peças iam além bolsas, pois ele produzia sob encomenda (fazendo isto até hoje, quem cuida destes " special orders" é uma pessoa da quinta geração da família: que original luxo, gente!) produtos exclusivos como um baú-cama, baú-charrete,bolsa-saco (a terceira bolsa da segunda foto lá em cima) servia pra carregar garrafas de champagne para pequeniques (que tudo!) e até baú flutuante para que os amantes do balonismo se sentissem seguros com a possibilidade de cair no mar. Seus mimos eram apreciados por qualquer um com gosto apurado, mas também despertavam inveja e inspiravam imitadores baratos (meus Deus, nessa época já tinha isso?). Para despistá-los e dificultar as pobres cópias (pobreza de espirito já vinha desta época), seus baús foram o primeiro produto manufaturado a levar uma assinatura do lado externo: "MARQUE L.VUITTON". Alguém já viu bandido sossegar? Portanto, foi em vão, mas ele nao ia se deixar abater por copiadores sem escrúpulos e falta de personalidade e sabia que sua marca sobreviveria a isto. Em 1888 Louis criou a tela Damier (esta de quadrinhos escuros e mais claros, tipo um xadrez) e em 1986 Georges Vuitton, seu filho, criou para as elas (as telas) os tradicionais monogramas das letras LV, granulados e nas cores café e ocre que, atualmente, é a marca registrada da grife. Em um "apagar de luzes" os baús e malas com estes monogramas traduziam em imagens as pessoas ricas e de gosto requintado nas primeiras classes de trens e navios e, hoje, em aviões. Louis Vuitton apesar de pertencer a um grande grupo de gestão de marcas, a LVMH, é considerada uma empresa familiar mega tradicional e nao é à toa que tem um público fiel ávido por consumir luxo de qualidade. Não querendo ser passada para trás, a marca que, apesar de idosa, é super atual (que paradoxo!) convocou sete estilistas renomados: Helmut Lang, Azzedine Alaïa, Vivienne Westwood, Isaac Mizrahi, Romeo Gigli, Manolo Blahnik e Sybilla para estilizar seus produtos e em 1997 ousou ainda mais convidando Marc Jacobs para reciclar geral e criar a primeira coleção de roupas da marca e ele transformou as bolsinhas e todo o restante em febre. Outros convites exóticos pintaram a partir de então: Stephen Sprouse emplacou as bolsas grafitadas, trabalho em patchwork da artista inglesa Julie Verhoeven, as cores fluorescentes do diretor teatral Bob Wilson e os mangás do desenhista Takashi Murakami e daí para a frente foi só alegrias. LOUIS VUITTON é contagiante, uma doença sem cura, um vicio incurável, é ORIGINAL LUXO...HA HA HA! 









Pois é, gente, não é só fútil embalagem ou algo bonito aparente, a beleza da marca está na história que ela carrega, na dedicação com que trata seus produtos e o carinho dispensados aos clientes: A LV dá garantia de 10 anos para as bolsas que faz e, se preciso for, troca as ferragens e forros com custo zero para o cliente, tudo é produzido de maneira consciente e sustentável sem contar com a qualidade incomparável, um know how singular e secreto( ha ha ha). Este encantamento jamais seria traduzidos em fakes, réplicas ou cópias. Fujam urgente! Nenhum crime(pirataria é crime e financia inúmeros outros) é perfeito e todos deixam vestígios, inclusive, assassinato no mundo da moda, pois quem possui a verdadeira e tem BOM SENSO sabe muito bem quando alguém paga mico achando que está abafando: ha ha ha! Melhor ter uma nacional original que uma fake que vai te denunciar na certa.





Só para refletir: uma bolsa chinesa é produzida por 1/10 do tempo que uma original leva, com 1/100 do carinho que uma original leva, o que resulta em 1/1000 da qualidade da original e apenas 1/10 do valor da original! Quem fabrica a falsa não tem direitos, trabalha como escravo e não recebe nenhum mérito por isso! Vale a pena comprar uma falsificação e saber que você indiretamente financia vários outros crimes ? ORIGINAL LUXO é, também, ser consciente. 






segunda-feira, 21 de setembro de 2009

CHRISTIAN LOUBOUTIN!




Christian Louboutin: o homem que calça as celebridades de Hollywood








Loucura de consumo entre as mulheres que sabem, realmente, o que é ORIGINAL LUXO, um sapato Louboutin (pronuncia-se “lubutã”) é motivo de briga por novas aquisições no closet feminino. Apesar de ter outros acessórios não menos lindos, como bolsas entre outros, mas seus "papatinhos", como fala meu amigo Fernando, fazem a cabeça da mulherada, pois marcam uma grande diferença na composição de qualquer look: eles dão aquele toque que não precisa mais de nadinha, entenderam?







Utilizando matérias-prima super qualificadas o que resulta em um acabamento perfeito, ousado, lindo e maga exclusivo, hoje , estes mimos são tratados como sinônimos de obra de arte. A marca francesa Cristian louboutin é o que há de mais luxuoso (e caro) no mundo do design-shoe.







E é moleza detectar  à distância um de seus modelitos: a marca registrada do designer é a sola vermelha, aliás,  sola vermelha e saltos altíssimos aos quais nem Angelina Jolie, mesmo quando grávida, resistiu. Além dela, a lista de clientes ilustres desse filho de operários inclui a superfashion Victoria Beckham, Katie Holmes , Nicole Richie, Dita Von Teese e Sarah Jessica Parker na série “Sex and the City” era apaixonada por Manolo Blahniks, mas casou-se usando um Louboutin de solado azul. O solado azul é exclusivamente para as noivas (VOU ME CASAR NOVAMENTE APENAS PARA USAR UM...JESUS!). Todas estas mulheres são lançadoras de tendências e que sabem se equilibrar com leveza em cima do salto (A unica mortal que eu conheço que faz bem isso é Alezinha, abaixo falarei dela).  Sabem qual a mais nova seguidora deste arquiteto dos sapatos? A gracinha da Surie Cruise (gente se uma garotinha é capaz de admirar esse gênio, por que não "euzinha", hein?), sua mamãe, Katie, encomendou um "miminho" exclusivo por $3.000 (quase R$ 6.000 reais). Vale a pena? Lógico que vale cada centavinho!









Talvez você não conheça Christian Louboutin "AINDA" pelo nome. Mas, obviamente, identificará um de seus modelinhos nada básicos ao vê-lo de costas com aquele solado vermelho poderoso e fatal (ele queria que a mulher tivesse este poder em baixo dos pés: UAU!) geralmente combinando com um salto fino altíssimo (Jesus me segura senão eu caio "tesinha" no chão estatelada de ver tanta coisa linda) . "Queria que as mulheres deixassem uma imagem quando vistas indo embora", conta o designer francês de origem vietnamita sobre a marca-registrada de suas criações (o solado vermelho): pensem numa imagem chique e singular! Para o design, equilibrar-se neles não é nenhum sofrimento: “Há uma diferença entre sofrimento e falta de conforto. De sapatos de saltos altos não se anda como de pantufas, mas dá um prazer tão grande...”, disse ele, certa vez, à edição francesa da revista “Marie Claire”.


Poder abaixo dos pés!




Admirador de calçados desde a tenra  infância,o mestre destes usou como base de suas primeiras coleções rascunhos de época de moleque feitos em seus caderninhos de escola. Sem estabelecimento fixo, ele ia a cabarés e boates para vender seus sapatos. “As mulheres ficavam nuas, mas continuavam calçadas” (GENTE SERÁ QUE SURGIU DAÍ AQUELE FETICHE DE SEXO COM SALTO ALTO? GRAÇAS AO LOUBOUTIN!!!), contou na mesma entrevista à “Marie Claire”. Na época, porém, eram freqüentes os "nãos" de mulheres que alegavam não ter dinheiro, mas ficavam apaixonadas e fama sabem como é, né? Espalha-se rapidinho: AINDA BEM!


                            Pura ousadia!





As obras de arte "LOUBOUTIN" não vão com a moda: elas ditam moda! Com arquiteturas perfeitas, cores nada discretas, bordados, aplicações e estampas exclusivas. Estas perfeições, com certeza entraram na lista de desejos das mulheres mais elegantes e refinadas do mundo, e assim serão eternizadas por séculos e séculos: A.M.ÉM!


                            Tentação!








Eu tenho uma pessoa melhor para indicar caso queiram tirar dúvidas sobre Louboutin, ela é expert: Alezinha, inclusive, em seu blog tem um video fantástico onde ela mostra o verdadeiro dela e o fake(http://aleroldan.com/2009/07/louboutin-original-x-fake/).Gente, mais uma vez, alerto aqui sobre os fakes, é super diferente dos originais, a cor da sola é um vermelho diferente, fica brega: vejam o video da Alezinha, em nome de Jesus e fujam de réplicas!


Eu quero!






                                       F.U.I!

sábado, 19 de setembro de 2009

GOYARD!



GO GO BY GOYARD!


Meninas do meu Brasil, sentem-se, ajeitem a poltrona e apertem o cinto para nao caírem... 
Maridos do meu Brasil, abram a carteira, pois GOYARD nao está de brincadeira! hauahauahauahauahauahauahauah


Maison Goyard, tão chique e espetacular quanto  Louis Vuitton, apenas menos famosa, mas muito, muito mais exclusiva. A marca é antiga, foi fundada em 1853 em Paris, sempre esteve entre os famosos de Hollywood (mas ha pouco descoberta no Brasil depois que a Daslu passou a vender a marca e a Carol Dickman e a Dani Winits passaram a propagá-la) e caiu de vez no gosto dos fashionistas, graças ao modelo mais cobiçado, a Saint Louis. Olhando assim, de soslaio, parece uma bolsa de feira, mas chegando perto, Jesus precisa segurar porque dá pra saber que é mesmo um acessório para raras sortudas .




Ela pode abusar de uma dessa na praia. 



Olhem a bolsinha novamente (detalhe:amei o vestidinho tb!)

Ela pode usar estas duas obras-prima de vez: A.M.E.I!




Esta a Dani ganhou de presente do marido que abriu a carteira...hauahauahauah!




O que me deixa intrigada é que a marca nasceu (lógico que nasceu, gente, ela tem personalidade... e como tem!) em 1853 (um aninho mais nova que a Louis Vuitton). Evidente que a Goyard sempre foi, continua sendo e sempre será mega tradicional e celebridades como Madonna, Angelina Jolie, Jéssica Simpson figuram entre os fãs de carteirinha, inclusive, euzinha, uma reles mortal.


Tem uma que é personalizada com as iniciais dela e listras, viram?












Estas bolsinhas nada básicas custam entre US$700 e US$5,000.00 (eu falei dólares). A St. Louis Tote (o modelito de uma das fotos) é uma das mais populares (tem três tamanhos) e a Croisiére também não fica devendo favores. As bolsas são mega leves, hiper práticas, e o charme é personalizá-las com iniciais e listras feitas especialmente para o cliente – trabalho feito somente em duas lojas do mundo, de Paris e São Francisco (Vocês sabiam disso? Pois eu tô bege aqui! ja pensaram em v ter uma Goyard com suas iniciais e com as listrinhas do jeito que quiserem? Não tem falsificador que queira reproduzir isto, pois "Joana" nao vai querer o "M" de Maria). Nos Estados Unidos a única loja da Goyard é em San Francisco, mas as bolsas também são vendidas na Bergdorf Goodman & Barney’s em New York, e na Barney’s em Boston e de Bervely Hills.


St. Louis Tote









Croisiére (detalhe nas iniciais personalizadas, viram que original luxo? abaixo vou falar sobre isso)



Essa aqui para colocar aquele Mac Book Air apple fica escândalo! O meu, que tem vida, já grita por uma para ele!






Para você  personalizar suas  bolsinhas LUXO TOTAL, que é justamente todo o charme da grife, o segredo é: Paris demora três meses e só aceita pedidos pessoalmente (Vocês entenderam por que eu falei que a marca era super exclusiva?). A loja de São Francisco recebe pedidos por fax e leva apenas três semanas. As bolsas custam um pouco mais nos Estados Unidos, mas para o clube dos que já estão se matando por uma e pedindo para Jesus segurar a todo custo, do qual eu pretendo pertencer, vale a pena o ágio. 


Mais uma vez venho aqui implorar, em nome de JESUS, não comprem uma GOYARD falsa. Além de matarem a bolsa, vocês vão estar matando suas almas ao se denunciarem. Pois onde, quando e  como uma replica vai conseguir reproduzir a original? A qualidade nao é a mesma, algo diferente fica no ar!  N.U.N.C.A mesmo! Pode até imitar, de longe, mas muito de longe e, mesmo assim, se a pessoa for cega (cega que eu digo é tanto fisicamente quanto para o mundo da moda e luxo) para nao reconhecer uma réplica. Melhor comprar uma de uma marca nacional (comprei uma FARM vermelha show de bola, não é uma GOYARD, mas é Original: ORIGINAL LUXO!



                                      


                                                     F.U.I!



quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Chanel: Doce deleite!

                                                                C H A N E L








Verdadeira deusa do mundo da moda. Esteve a frente da revolução no guarda-roupa feminino no século XX. Tida como mulher altamente feminista, Mademoiselle Coco Chanel  imortalizou um estilo singular e elegante, cobiçado  até os dias atuais, transformou sua marca em símbolo de classe e conforto.






Gente, pelo amor de Deus, eu não tinha como falar de todos os itens desta fantástica estilista, daria um livro. Escolhi um:
A bolsa mais clássica da história da moda: A 2.55! 








Primeiramente é bom frisarmos que há dois modelos desta bolsa praticamente idênticos: Chanel Ressue 2.55 e Chanel Classic Flap.


História:


O nome da 2.55 remete ao lançamento do modelo, em fevereiro de 1955. O fecho da 2,55 é o original retangular, pois o fecho com os "CC' entrelaçados foi criado apenas na década de 1980 pelo estilista Karl Lagerfeld, para a Classic Flap Bag...GENTE, EU PREFIRO, SINCERAMENTE, ESTE! FOI O QUE ESCOLHI PARA MIM!
Coco Chanel cresceu em um orfanato/convento, onde as chaves das portas ficavam presas em correntes duplas (tais como as alças da bolsa, AS FAMOSAS CORRENTES) na cintura das freiras. O compartimento com zíper no interior da tampa frontal é onde Coco escondia suas cartas de amor (GENTE É TAO ESTREITO ESTE COMPARTIMENTO QUE SÓ CABE CARTAS DE AMOR MESMO...AI...AI...AI, MEU AMOR PELA BOLSA...RISOS), pois naquela ocasião ela estava tendo um caso amoroso (ela jamais se casou). A cor vermelha vinho do forro representa a cor do uniforme que Coco usava na escola no sul da França e o preto e branco vieram dos hábitos das freiras que cuidaram dela na infância. O bolso fora da bolsa seria onde Coco guardava dinheiro extra (ESTE BOLSINHO É O MUST). Já o característico metalassê (CHAMADOS POR ALGUNS DE DIAMANTES DE BOLSA, POIS PARECEM LOSANGOS, DIAMANTES BRUTOS) da bolsa seria uma referência aos vitrais da Abadia em Aubazine, onde Coco Chanel cresceu.
Ao longo dos anos tem havido muitas variações para o desenho original do 2.55, incluindo a mudança de couros (CAVIAR-couro mais enrugadinho, parece ter umas bolinhas, CALFISKIN- um couro mais liso, mais macio, muito semelhante ao LAMBSKIN - o mais macio de todos e na minha opinião singela, o melhor) tecidos, cores (atualmente está bem difícil conseguir uma clássica com o vinho por dentro, ou seja, quem comprou, comprou, quem nao comprou, tem que penar atrás) e metais (dourados, prateados). Em fevereiro de 2005, Karl Lagerfeld fez a reedição da 2.55, em comemoração do 50º aniversário da bolsa e a denominação "2,55 Reissue" deve aplicar-se apenas às bolsas comemorativas. No entanto é comumente usado agora como um nome para todas as bolsas semelhante ao original 2.55, mas aquelas com o C duplo da marca são, na verdade, as Classic Flaps. Estão vendo, gente? Chanel nao é apenas beleza, mas história também!


As Diferenças:


1. Fechos: o modelo Classic Flap tem o duplo CC entrelaçado e 0 Ressue tem o fecho no modelo Mademoiselle (retangular).


MODELO CLASSIC FLAP, TAMANHO M, COURO CAVIAR (duplo CC entrelaçado e veja o detalhe do couro preto igual a bolsa entre as correntes)




2. As alças: O Modelo Ressue tem as alças feitas de correntes apenas, já o Classic Flap tem couro (do mesmo tom da bolsa) entrelaçado entre os elos das correntes.


MODELO RESSUE (fecho retangular e as alças feitas de correntes puras e lindas)


3. O modelo Ressue tem um tipo diferente de couro, que é feito para parecer mais usado (ele é meio enrugado) do que o couro da Classic Flap.


MODELO RESSUE




5. Os tamanhos da bolsa Ressue são diferentes das dimensões da Classic Flap .


Hoje, ambos os modelos tem em vários tamanhos: pequeno, médio, jumbo, e jumbo extra. Mas o tamanho original é o da Classic Flap médio, sabem por quê? Porque ela tem 25, 5 cm de comprimento o que remete ao modelo 2.55 e 15 cm de altura.


CLASSIC FLAP, COURO CAVIAR, JUMBO XL


CLASSIC FLAP, COURO CAVIAR (vejam as bolinhas no couro), TAMANHO JUMBO XL





Gente, só de escrever aqui está me dando vertigens: Jesus apague a luz e acende as lamparinas do meu juízo, antes que eu cometa uma loucura!!!!


CLASSIC FLAP SILVER